Animais doentes as palavras

1. Espelho desobediente
Não perdoam. Quem bloga já sabe que os blogues não escondem as suas limitações. Muito pelo contrário, até parece que fazem questão de as evidenciar. Muito claramente, há uma dose importante de masoquismo em blogar.
2. Dúvida existencial
Um blogue deve ser escrito a pensar no autor, no leitor, ou em ambos?
3. Segurança energética
Algumas lições retiradas da recente ameaça de bomba numa plataforma petrolífera.
4. Na lista de futuras aquisições

David L. Perlmutter, Blogwars: The New Political Battleground (Oxford University Press, 2008).
5. Funções do Estado...
...segundo Pedro Passos Coelho: [1] áreas em que o Estado «deve garantir e realizar»: justiça e segurança [2] áreas em que o Estado «tem que assegurar mas não produzir»: saúde, educação e segurança social. (Sobre o mesmo tema, no PSD, ver aqui.)
Às áreas que o Estado deve garantir e realizar, acrescento defesa, diplomacia e muito possivelmente finanças.
6. Barómetro
O funeral de Alfredo Reinado.
7. Tudo no sítio
Ao editorial de Paulo Ferreira, hoje, no jornal Público, não tiro nem acrescento uma vírgula.
8. A tiracolo?
Plenamente de acordo com Paulo Pinto Mascarenhas (Meia Hora, 13.2.2008: 4). Já o disse também e repito: José Sócrates tem muito a ganhar com a 'dissidência controlada' -- à falta de melhor expressão -- de Manuel Alegre.
Uma nota lateral. Quase tudo, para não dizer tudo, me separa de PPM, mas o Paulo sempre deu a cara pelas suas opiniões e o seu percurso político sempre foi assumido. Isso, para mim, conta muito e merece o meu respeito, apesar das inúmeras divergências.
9. Conteúdo, estilo e spin...
«Com a entrada da nova ministra da Saúde não muda o conteúdo da política do Executivo: o que é alterado é o estilo», refere o jornalista Mário Baptista no jornal Diário Económico (13.2.2008: 8).
Pode ser que eu esteja a ver mal a coisa, mas mudar o calendário de implementação do 'conteúdo' não pode ser descrito como uma mera alteração de 'estilo'. Se se altera o calendário por consequência está a alterar-se o conteúdo da política. Isto parece-me muito claro.
publicado por Joana Alarcão às 00:08 | comentar | partilhar