Da Série "Outros Tratados"

Este, o do Atlântico Norte, parece não despertar o interesse de ninguém, apesar de cada alargamento efectivo ou planeado representar uma pequena refundação e envolver coisas sem interesse como armas nucleares, vidas humanas ou equilíbrios geoestratégicos com ramificações planetárias.

Querem referendar o Tratado de Lisboa porque transfere soberania (o que quer que isso queira dizer no mundo de hoje), porque toca o dia a dia das pessoas (o que é que não toca, com ou sem Tratado), ou porque seria uma óptima oportunidade para discutir a Europa (não se arranjam outros palcos para isso sem ser brincar aos votos?) ? Vamos lá a isso, arranjem-me é, por favor, um pouco de coerência na argumentação. E depois não se queixem, se a partir de agora é para ouvir os cidadãos nesses termos vamos ser consequentes. Sugiro já uma pergunta referendária para os próximos passos na NATO, que tal "apetece-te morrer por um ucraniano?". Quem é que os "sábios" julgam que são para decidirem isto por nós?
publicado por Manuel Pinheiro às 15:10 | comentar | partilhar