A escolha não é essa

A corrupção, irresponsabilidade e prepotência na classe política no poder, não sendo os únicos, são factores incontornáveis na explicação da actual situação económica e financeira do país. Pretender relegar para um qualquer plano esquecido os factos e graves suspeitas que pairam sobre parte da classe política, em nome de alegados temas mais importantes, é mais um perigoso jogo de ilusões igual a tantos outros em que Portugal tem entrado.

Não faltarão aliados de circunstância entre os prevaricadores para este lamentável argumento de Silva Lopes, mas por mais ou menos que isso lhe possa custar, se ou quando existir um conflito entre a exigência de um momento histórico e a gravidade de suspeitas sobre titulares do poder político, a solução não é embarcar na ficção da inexistência, mas sim a remoção, pelo seu pé ou pelo da democracia, dessa classe política por uma outra em condições de responder à exigência do momento.
publicado por Manuel Pinheiro às 12:33 | comentar | partilhar