Quem diria que os ateus prosélitos são uns piadistas?

Fui ler a insistência da Palmira no disparate - e, há que se reconhecer, a senhora tem uma grande 'fé', daquelas capazes de ignorar os mais simples factos para permanecer com as suas certezas intactas - que o Filipe nos fez o favor de apontar, e lá dei com esta pérola: há uma sondagem que afirma que os católicos portugueses discordam de Bento XVI 'nos assuntos que têm sido a imagem de marca do seu papado'. Ora que assuntos são esses? A defesa da fé católica, expressa no Credo? A defesa dos dogmas da Igreja? Os temas que Bento XVI considera serem fulcrais para a Igreja a ponto de já ter escrito encíclicas sobre eles, a saber o Amor/Caridade e a Esperança? A evangelização? A recusa do relativismo? A centralidade de Jesus Cristo na sua fé, evidente em tudo o que escreve e sobretudo no livro onde defendia a aproximação entre 'o Jesus da Fé' e o 'Jesus da História'? Não, nada disso, o que preocupa Bento XVI mais do que tudo, segundo Palmira, é o aborto, a eutanásia, a contracepção e as relações sexuais antes do casamento.
Quando os ateus hiperactivos escrevem sobre a Igreja e o catolicismo é frequente denotarem uma ignorância atroz do assunto que lhes é tão caro e ocupa tanto a cabeça. Isto tem geralmente piada, dado que estes ateus hiperactivos se colocam na posição de esclarecidos, de gente inteligente que não é apanhada pelas patranhas da Igreja, ao contrário, já se sabe, dos seres mais básicos que acreditam em coisas exóticas, a necessitarem de ser educados por esta gente esclarecida, enfim, precisando mesmo de uma revelação e de uma conversão em que abracem o ateísmo prosélito. Para mim, católica, diria que a Prof. Palmira está um bocadinho enganada se pensa que os resultados da sondagem indicam algum cisma na fé católica dos portugueses, mas a senhora professora certamente sabe mais destas coisas que eu. Até me foi informado que os temas que Bento XVI abordará em Portugal andarão à volta da Missão e da Santidade, mas talvez a senhora professora tenha os seus contactos privilegiados que lhe garantam que o Papa aproveitará a visita a Portugal para lançar uma guerra santa contra a pílula. Ou é isto ou a senhora professora não percebe bem a realidade contra a qual tanto luta (donde, será ineficaz e mais valia não provocar rugas com tanta agitação), há quem tenha vida para além das questões fracturantes ou supostamente fracturantes (algo inentendível para alguns, eu sei, eu sei) e talvez fosse mais avisado começar a escrever sobre a tabela periódica.
publicado por Maria João Marques às 14:45 | comentar | partilhar