Mundial 2010: 1ª jornada

Não esmoreçam os adeptos porque, em todos os Mundiais, a primeira jornada é maçadora e desinteressante. O verdadeiro Mundial só começa na 2ª jornada e por vezes na 3ª. Apesar de tudo, aqui vão uma notas:
- Confirmo o que disse num post anterior: o Brasil tem uma equipa com pouco brilho, mas eficaz. Não mais do que isso. O mesmo se pode dizer da Alemanha. Nesse aspecto, a renovação sofrida da equipa italiana coloca-a atrás destas duas.
- A Espanha não deixou de ser candidata. Continua até a ser uma das mais fortes candidatas. Quem tem aquele meio-campo tem (quase) tudo. Perderam, é certo. Com a Suíça, que é uma das equipas no mundo que melhor defende, e que venceu o seu grupo de qualificação. Ainda assim, a Espanha teve, nesse jogo, mais remates e ocasiões de golo do que certas equipas laureadas terão no torneio inteiro.
- A Inglaterra não pode jogar sem trinco. Gerrard não sabe fazer o lugar, como ficou evidente no jogo contra os EUA. Bem sei que é um terrível dilema escolher entre Gerrard e Lampard como centro-campistas, mas um deles terá de sair. A menos que se faça o que me parece mais adequado: sai aquele ponta-de-lança profissional, mas medíocre, e o Gerrard parece jogar atrás de Rooney.
- Sobre o jogo de Portugal é também preciso sublinhar o que disse Ribeiro Cristóvão e que tende a ser esquecido no meio da nossa frustração: a Costa do Marfim é, a grande distância, a melhor equipa africana do Mundial.
- Dos três craques idolatrados pela comunicação social (porque há outros) - Messi, C. Ronaldo e Kaká - o argentino teve a melhor prestação - também a grande distância - e Kaká confirma que desde que deixou o grande Milan nunca mais voltou a ser o mesmo. Há escolhas que se pagam muito caro.
publicado por Miguel Morgado às 15:59 | comentar | partilhar