os intolerantes são os outros

(a propósito disto escrito por eles)
Tirou-me as palavras da boca, cara Fernanda. Estava também a pensar nisso e julgo que a resposta à pergunta seria que existe (ainda) uma esquerda que encontra como principal foco de legitimação a sua oposição aos EUA, i.e. o confronto com um (suposto) poder imperial -- uma esquerda que vive numa espécie de Guerra Fria mitológica, porque um mundo bipolarizado é mais simples de compreender (e de caracterizar o adversário moralmente). Cuba, símbolo da résistance (em francês, porque é mais Sartre) por excelência, é também a persistência desse mito, e o Daniel Oliveira, que vive nesse mito, não podia correr o risco de ser confundido com aquela gente (que ele despreza) que concorda com ele quanto aos Direitos Humanos (neste caso a morte de um prisioneiro político em Cuba), mas que não acha que os EUA sejam a fonte do Mal. Tal como quanto à Liberdade, quando ele fala de Direitos Humanos não se refere ao mesmo que nós. Na verdade, como ficou manifesto em ambos os casos, o verdadeiro problema não é de conceitos ou valores, mas a companhia. E ainda faz de conta que os intolerantes são os outros.


Adenda: acabo de notar que o Daniel Oliveira comentou no post da Fernanda. Cito duas frases: "Porque os que fazem a petição decidiram que a luta pelos direitos humanos em Cuba não é um exclusivo dos que defendem uma nova Baia dos Porcos" ; "E não assinaria outra ao lado de amigos do Pinochet . Como noutra ocasião, escolho as companhias". I rest my case.

Aproveito para lhe dizer, caro Daniel, que sou do Sporting (como julgo que também é), e que estou a pensar ir ao estádio no domingo. Aviso-o com antecedência porque sei que escolhe as companhias, e quero deixá-lo à vontade para não aparecer.
publicado por Alexandre Homem Cristo às 23:55 | comentar | partilhar