O Cachimbo ao poder

Como o João Gonçalves e o Vasco Campilho já notaram, o Cachimbo tem desde ontem um representante na Comissão Nacional do PSD: o Paulo Marcelo.
Não era sem tempo. Ao fim de vários meses de campanha contra o Menezes, o Santana e o Passos Coelho, fomos finalmente recompensados com um lugar no coração da máquina partidária.
Outros se seguirão. Estejam atentos ao camarada Pinheiro, que vai urdindo a sua teia a partir de Santa Isabel.
Nós bem avisámos - não queremos o poder, mas já estamos por tudo, lembram-se?
Ninguém acreditou. Aí têm o cachimbismo agora.
E o que é o cachimbismo?, perguntarão vocês.
Uma mistura de neo-marcelismo, social-democracia à Botelho, manuel-keynesianismo, defesa da filosofia "o homem é o lobo do homem" pelo Lobo e regresso do morgadio com o Morgado. Em suma, o nosso programa consiste em impedir que o PSD seja um partido liberal.
A história absolver-nos-á.
publicado por Pedro Picoito às 16:28 | partilhar