Kierkegaard

Na belíssima colecção «teofanias» da Assírio e Alvim, coordenada pelo Pe. José Tolentino Mendonça, saiu agora o livro de S. Kierkegaard, Adquirir a Sua Alma na Paciência, com tradução do dinamarquês, notas e posfácio de N. Ferro e M. Jorge de Carvalho.

À primeira vista, um livro estranho e que se hesita em comprar: a 30 páginas de texto de Kierkegaard seguem-se 300 páginas de notas -- uma distribuição de matérias que costuma denunciar um hipercriticismo doentio ou um desordenado desejo de protagonismo dos comentadores. Mas felizmente esse não é o caso. De facto, nada poderia estar mais longe da verdade, pois o que surpreende nestas densas anotações (para além da profundidade e erudição) é ver como os comentadores se apagam, se vão tornando transparentes, escusando-se a "dar a sua opinião", a dizer "o que lhes parece", ou a desviar a atenção do leitor, para apenas se concentrarem em iluminar e tornar compreensível o pensamento de Kierkegaard. Acerca deste, do próprio texto de Kierkegaard, não me atrevo a dizer nada, para além de animar os leitores do Cachimbo a que comprem o livro e o leiam.
publicado por Joana Alarcão às 09:26 | comentar | partilhar