Da Série "Posta Restante"

"Na sua condenação da teologia da libertação, nos seus textos contra Leonardo Boff e outros teólogos sul-americanos, Ratzinger travou a dissolução de um acervo doutrinal mais vasto do que a instituição da Igreja em si, que na realidade punha em causa a dignidade da pessoa humana e a correlativa responsabilidade individual, substituindo-a por uma culpabilidade social baseada numa versão abastardada do marxismo e na apologia da violência. Ratzinger, que achava que os teólogos da libertação tinham lido "teologia alemã a mais", referindo-se a colegas e discípulos seus cujas posições tinham influenciado os latino-americanos, atacou doutrinariamente com veemência não só em pontos de política, mas de filosofia e teologia. Ao lermos esses textos hoje, à luz do fim do comunismo e do que se sabe das experiências latino-americanas, percebemos a razão de Ratzinger e a solidez do seu corpo doutrinário" .
José Pacheco Pereira, "Um intelectual orgânico europeu: Joseph Ratzinger (Bento XVI)", in Público, 28/12/06
publicado por Pedro Picoito às 16:37 | partilhar