Do Outro Lado do Mundo (I): a Politica do Desespero

Na Coreia do Sul, as taxas de suicidio atingiram dimensoes de horror. Em 2005, o numero de mortes por suicidio ultrapassou por um factor de 1,5 o numero de obitos em resultado de acidentes de viacao. Treme-se so' de esbocar a conversao desta proporcao 'a realidade portuguesa.

O governo sul-coreano ja' anunciou algumas "medidas" que a calamidade exige: criacao de "centros de aconselhamento", vedacao de terracos e pontes, e a reducao da producao de "herbicidas toxicos" (!). Se Plutarco e Hobbes fossem vivos, recomendariam - com toda a dureza que, por vezes, os caracterizava, e na ignorancia das patologias psicologicas - que se expusesse publicamente os cadaveres nus de quem tivesse praticado o suicidio. Foi assim que se curou o mal numa certa cidade antiga.

Se conhecessem a ancestral cultura do suicidio do Extremo Oriente, Plutarco e Hobbes sentir-se-iam ainda mais confirmados nos seus conselhos. Pensando com ambos, este seria o modo mais directo e mais desumano de colocar o orgulho contra si proprio.
publicado por Miguel Morgado às 14:51 | partilhar