Irão: estratégia e tragédia

A passagem do Irão de exportador a importador líquido de combustíveis no prazo de uma a duas décadas é a semente do expansionismo persa: um dos benefícios que Teerão antecipa do caos iraquiano é o controlo dos campos petrolíferos nas províncias de Maysan e Basra, as áreas do Iraque de maior influência xhiita. A sobrevivência do regime islâmico depende crucialmente da concretização das ambições de projecção imperial, mas a prossecução das intimações geopolíticas poderá apressar a queda do regime. É essa a natureza da tragédia política.
O resto do artigo pode ser lido na página do Diário Económico.

[Nota: A extensão da versão inicial do texto obrigou a uma elevada "taxa de compressão" para o adequar ao espaço disponível, o que produziu algumas descontinuidades (razoavelmente) fáceis de identificar. O mesmo motivo torna inviável a publicação da versão integral aqui no blogue.]
publicado por Joana Alarcão às 20:15 | partilhar