A grande sondagem (VI) - empate técnico



O último estudo publicado pela Eurosondagem teve especial repercussão na campanha eleitoral do fim de semana.
Percebe-se as razões. Foi até agora a sondagem com maior amostra (cerca de 2500 entrevistas), e a última em termos de trabalho de campo (25 a 27 de Maio).
Mas se compreendo a importância da sondagem, já no que se refere às conclusões que os media deram tenho as maiores reservas que sejam as mais objectivas.
Vejamos os resultados:
PS - 35.5%
PSD - 32.5%
CDU - 9.2%
BE - 8.8%
CDS - 6.5%
Perante estes resultados os media destacaram:
"Empate técnico entre PS e PSD",
"CDU e BE lutam pelo terceiro lugar"
"CDS cada vez mais último".
As notícias dadas desta forma motivam objectivamente os eleitores do PSD e da CDU e podem desmotivar os do CDS. No entanto do ponto de vista científico tanto existe empate técnico entre PS e PSD como entre CDU, BE e CDS. Aliás, se é verdade que o PSD está a 3% do PS, as intenções de voto no CDS no último estudo estão apenas a 2.3% do BE e a 2.7% da CDU.
Não quero dizer com isto que tudo vai bem na campanha do CDS. Claro que há muitas sondagens preocupantes e que o CDS deve estar atento a esses sinais e reflectir caso os resultados nas urnas confirmem as previsões dos estudos. Mas o que me parece certo é que, pelo menos de acordo com o último estudo da Eurosondagem, o CDS está a menos votos de ser o terceiro partido mais votado do que o PSD o partido mais votado. É objectivo.



publicado por Pedro Pestana Bastos às 18:51 | partilhar