O Cônsul Expiatório

A forma expedita como o Ministério dos Negócios Estrangeiros suspendeu o cônsul honorário de Portugal em Munique, por causa do negócio de compra pelo Estado português de submarinos aos mesmos alemães que tanto zelam pelo equilíbrio das contas públicas e da balança de transacções correntes nos países meridionais que pertencem à zona Euro, demonstra claramente que, para problema idêntico (alegada corrupção), o Governo e o Estado português têm dois pesos e duas medidas.
publicado por Fernando Martins às 15:47 | comentar | partilhar