O desejo e a realidade

No Outono de 1942, começava a Wehrmacht, toda metal e lagartas, a entrar na Caldeira de Estalinegrado, quando, em Berlim, aquela curiosa personagem, determinada e corajosa (toda ela pulsão reformista), que andava por lá a esbracejar, abanando a melena, ia repetindo com convicção: Der Russe ist tot! Der Russe ist tot!
Lembrei-me, ao encontrar este episódio de humor triste. Das stimmt.
publicado por Carlos Botelho às 16:52 | comentar | partilhar