Segunda-feira, 28.04.08

Diário místico de Etty Hillesum

«Foi novamente como se a Vida, com todos os seus segredos, estivesse próxima de mim, como se eu a pudesse tocar… E ali sentia-me imensamente segura e protegida. E pensei: «Como isto é estranho. É guerra. Há campos de concentração. Pequenas crueldades amontoam-se por cima de pequenas crueldades. Quando caminho pelas ruas, sei que, em muitas das casas por onde passo, há ali um filho preso, e ali um pai refém, e ali têm de suportar a condenação à morte de um rapaz de dezoito anos.» (...) E num momento inesperado, abandonada a mim própria—encontro-me de repente encostada ao peito nu da Vida e os braços dela são muito macios e envolvem-me, e nem sequer consigo descrever o bater do seu coração: tão fiel como se nunca mais findasse…»

Hoje, 28 de Abril, às 18.30h, será o lançamento em Portugal do Diário de Esther (Etty) Hillesum, na Livraria Assírio & Alvim. O livro será apresentado pelo nosso amigo José Tolentino Mendonça. Reúne os oito cadernos escritos por Etty, a partir de 1941, em Auschwitz, onde esta judia convertida ao cristianismo viria a morrer em 1943.
publicado por Paulo Marcelo às 11:53 | comentar | partilhar
Domingo, 27.04.08

Voto católico, a quanto obrigas!

publicado por Miguel Morgado às 09:54 | comentar | ver comentários (4) | partilhar
Sábado, 26.04.08

Dúvida

Será que Pedro Santana Lopes levará mesmo a sua candidatura até ao fim?
publicado por Joana Alarcão às 16:06 | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sol e Sombra

Não esquecer que, para além de António Preto, Helena Lopes da Costa também apoia Manuela Ferreira Leite. Tal como Pedro Passos Coelho e Pedro Santana Lopes também têm elementos do exército das sombras. Ultrapassar a falsa dicotomia bases/elites passa também por acabar com algumas hipocrisias: não há candidaturas vencedoras -- ou de unidade, se se quiser -- sem integrar sol e sombra. Inferir que por integrar elementos do exército das sombras as candidaturas são reféns das mesmas é uma injustiça que não quero cometer nem com Ferreira Leite nem com Passos Coelho.
publicado por Joana Alarcão às 15:05 | comentar | ver comentários (1) | partilhar

O Momento Certo

Ninguém acredita seriamente que Alberto João Jardim ainda está a equacionar a possibilidade de se candidatar à liderança do PSD, pois não?
A não ser que tenha uma súbita vontade de se suicidar politicamente, o que seria uma novidade, Jardim falhou o momento certo. Entretanto, as tropas que ele pedia, pura e simplesmente, comprometeram-se com as candidaturas de outros generais.
O tempo não volta para trás. É a vida.
publicado por Joana Alarcão às 12:45 | comentar | partilhar
Sexta-feira, 25.04.08

Leituras

Certamente por lapso, Luís Paixão Martins esqueceu-se de arquivar esta entrada na sua interessante secção de mordidelas silenciosas. Outras mordidelas: de acordo com Rodrigo Saraiva.
publicado por Joana Alarcão às 19:42 | comentar | partilhar

Leituras

«As listas de espera para intervenção cirúrgica em Portugal», por Pedro Pita Barros (IPRIS Verbis, n.º 4, Março de 2008).
publicado por Joana Alarcão às 19:27 | comentar | partilhar

Filmes de elite

Em dia comemorações revolucionárias, vale a pena revisitar este texto de Dezembro passado sobre o filme brasileiro Tropa de Elite.
publicado por Paulo Marcelo às 17:37 | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Eduquês

"Se os jovens não se interessam pela política, é porque a política não é capaz de motivar o interesse dos jovens."

Cavaco Silva, hoje no discurso solene do 25 de Abril.
publicado por Carlos Botelho às 12:49 | comentar | ver comentários (6) | partilhar

A ingenuidade revolucionária

Como diria o Heraclito, aquelas escadas tanto sobem, como descem...

publicado por Carlos Botelho às 09:54 | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Agenda-Setting

Vai ser interessante observar quais serão os temas que os diversos candidatos vão eleger como assuntos centrais nas suas campanhas, procurando dessa forma valorizar os aspectos que entendem que lhes são mais favoráveis, ao mesmo tempo relegando para segundo plano os que consideram inconvenientes. Um dos temas, já percebemos, é a questão da unidade. Outro, seguramente, é o passado vs. futuro.
publicado por Joana Alarcão às 02:30 | comentar | partilhar

O candidato da unidade

Na entrevista de ontem na RTP1, Rui Rio valorizou a unidade -- entendida enquanto sinónimo de pacificação interna -- que deverá ser restabelecida a seguir às eleições. Depreende-se das suas palavras -- corrijo, eu depreendo das suas palavras -- que uma das razões que o levaram a não se candidatar foi ter plena consciência que, caso vencesse, Menezistas e Santanistas não lhe dariam tréguas durante um minuto até 2009. Em suma, Rio sentia que seria incapaz de assegurar a unidade. Estou totalmente de acordo com o seu diagnóstico nesta matéria.
Porém, discordo de Rio quando afirma que Manuela Ferreira Leite é a pessoa indicada para «mudar em unidade». É seguramente mais indicada do que Rio, no actual contexto. Isto dito -- admito que possa estar enganado --, parece-me que Pedro Passos Coelho é mais indicado do que Ferreira Leite. Explico-me. Se se olhar para as declarações de apoio que começam a surgir, rapidamente se percebe que, com uma ou outra excepção -- Pedro Santana Lopes não capta apoios entre Barrosistas e Mendistas. De igual modo, Ferreira Leite não consegue obter apoios entre Menezistas e Santanistas. Contrariamente a Santana Lopes e Ferreira Leite, Passos Coelho recolhe votos em todos os quadrantes, exceptuando para já os Santanistas.
Mais. Vamos admitir que Santana Lopes ganha as eleições. Alguém acredita que a contestação terminaria? Admitamos igualmente que é Ferreira Leite quem ganha. Também acredita que a contestação terminaria? Não, pois não?
Uma vez mais, parece-me que Passos Coelho é o candidato que melhor se ajusta às necessidades do PSD.
publicado por Joana Alarcão às 02:16 | comentar | ver comentários (19) | partilhar

Faites vos jeux

Julgo notar, não sei se propositada ou se involuntariamente, algumas referências à disputa eleitoral que se avizinha no PSD como se se tratasse de uma corrida a dois. Pedro Passos Coelho, juntamente com António Neto da Silva e Mário Patinha Antão, seria o outsider, a quem se reserva um tratamento entre o displicente e o sobranceiro.
Subestimar um adversário nunca deu bons frutos.
publicado por Joana Alarcão às 01:13 | comentar | partilhar
Quinta-feira, 24.04.08

Leituras

1. «The 'New' New Left», por Brian Morton (Dissent Online, Inverno de 2008).


publicado por Joana Alarcão às 22:11 | comentar | partilhar

Abril, Candidatos Mil

Nada mal, para quem está em alegada "crise". E nada mal também para um país em que não é normal o risco e a iniciativa. Não voto em Pedro Santana Lopes, mas gosto que venha à luta e gosto do meu partido assim.

publicado por Manuel Pinheiro às 21:03 | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Rigor e Confiança

1. «Líder da Comissão de Orçamento e Finanças presta assessoria ao BPN», revela o Público (22.4.2008: 39), com chamada à capa «Jorge Neto é assessor de banco sob investigação». Segundo o Público, «Jorge Neto (...) tem dado assessoria ao BPN, sendo considerado um colaborador de confiança de Oliveira e Costa, que recentemente se demitiu de CEO. A assinatura de Jorge Neto consta mesmo de alguns pareceres encomendados pelo BPN».
Hoje, sem chamada à capa, ao abrigo de direito de resposta (24.4.2008: 42), é publicado um extenso desmentido sobre o qual o Público, para já, não se pronunciou. E, no entanto, o desmentido coloca em causa, entre outras coisas, que Neto conheça Oliveira e Costa, ou que a sua assinatura conste de pareceres encomendados pelo BPN.
2. «Rui Rio é o preferido de Cavaco» revelava o Expresso na capa da sua última edição (19.4.2008). Nesse mesmo dia o próprio Presidente da República desmentiu a notícia deixando bem claro que «não tem o mínimo fundamento» (TSF, 19.4.2008). O Expresso, via edição em linha, para já, não se pronunciou.
3. «Menezes convida Cadilhe para programa de Governo» anunciava o Sol na capa da sua penúltima edição (12.4.2008). Nesse mesmo dia Cadilhe desmentiu a notícia, deixando bem claro que «não fui convidado para coordenar o programa de Governo do PSD e se tivesse sido convidado não poderia aceitar». O Sol na sua edição em linha fez referência ao desmentido. Na edição desta semana, se alguém esperava que o jornal reiterasse a bondade da sua versão terá ficado certamente desiludido, na medida em que o assunto é completamente ignorado.
4. Por falar na edição desta semana do Sol, o jornal informava em subtítulo que «Rui Rio cede aos apelos do PSD e anuncia candidatura no início da próxima semana» (19.4.2008: 4).
.
Perante isto, pergunto, há alguém que ainda acredite no que lê, sem dar algumas horas para ver o que acontece?
publicado por Joana Alarcão às 15:34 | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Pergunta Óbvia

O que é que move Pedro Santana Lopes?
publicado por Fernando Martins às 15:25 | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Curtas Questões Existenciais

Quem apoiará, quase pro bono, António Cunha Vaz?
publicado por Joana Alarcão às 14:32 | comentar | partilhar

Ronda da Noite

Primeira paragem. "Deveria ser um escândalo público, mas nem sequer é um vago interesse ciciado. Em tão poucas coisas mostramos mais a nossa apatia cívica do que na questão do do tratado que terá o nome de Lisboa." Não posso estar mais de acordo com Pacheco Pereira.
Segunda paragem. É sabido que, apesar de sólidas credenciais conservadoras, tenho um fraquinho pela estética da esquerda revolucionária. Ficou-me da adolescência. Por isso, e correndo o risco de escandalizar alguns amigos, recomendo vivamente a série de murais alusivos ao 25 de Abril que a Maria João Pires tem postado no Cinco Dias. E para não ser só eu a atrair a ira da tribo, aviso que o camarada Botelho também anda a trabalhar para o outro lado...
publicado por Pedro Picoito às 13:00 | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Faites vos jeux

Começam a estar reunidas as condições para uma campanha clarificadora na corrida à liderança do PSD. Pessoalmente vejo com bons olhos a eventual candidatura de Pedro Santana Lopes, assumindo que não será desperdiçada a oportunidade de o confrontar com o desastre de 2004/2005. Tenho dúvidas que Manuela Ferreira Leite esteja à altura do desafio, mas Pedro Passos Coelho não desperdiçará seguramente a oportunidade.
publicado por Joana Alarcão às 12:38 | comentar | partilhar

Cachimbos

O Cachimbo de Magritte é um blogue de comentário político. Ocasionalmente, trata também de coisas sérias. Sabe que a realidade nem sempre é o que parece. Não tem uma ideologia e desconfia de ideologias. Prefere Burke à burqa e Aron aos arianos. Acredita que Portugal é uma teimosia viável e o 11 de Setembro uma vasta conspiração para Mário Soares aparecer na RTP. Não quer o poder, mas já está por tudo. Fuma-se devagar e, ao contrário do que diz o Estado, não provoca impotência.

pesquisa

 

posts recentes

links

Posts mais comentados

últ. comentários

  • ou podre
  • http://fernandovicenteblog.blogspot.pt/2008/07/si-...
  • O pagamento do IVA só no recibo leva a uma menor a...
  • O ranking tal como existe é um dado absoluto. Um r...
  • Só agora dei com este post, fora do tempo.O MEC af...
  • Do not RIP
  • pois
  • A ASAE não tem excessos que devem ser travados. O ...
  • Concordo. Carlos Botelho foi um exemplo de dignida...
  • ou morriam um milhão deles

tags

arquivos

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

subscrever feeds