Do âmbito exclusivamente partidário

António Martins da Cruz, presidente da Comissão de Relações Internacionais do PSD, definiu a sua visita a Díli como sendo «do âmbito exclusivamente partidário». No entanto, deslocou-se a Díli acompanhado por Rui Botica Santos, sócio-coordenador da sociedade portuguesa de advogados CRA (Coelho Ribeiro & Associados), de que é consultor (Lusa via DD, 18.1.2008).
.
É impressão minha, ou há aqui algo que, pura simplesmente, não bate certo?
Não consigo perceber como é que a visita de Martins da Cruz pode ser «do âmbito exclusivamente partidário», se se deslocou acompanhado pelo sócio-coordenador de uma sociedade de advogados de que é consultor. Dito isto, desde que devidamente separadas, há alguma razão que impeça que a visita possa ter, de forma explícita e assumida, uma vertente partidária e outra empresarial? Não, pois não?
publicado por Joana Alarcão às 00:31 | comentar | partilhar