Logicamente

O referendo de 11 de Fevereiro é essencialmente uma história para distrair os pobrezinhos da sua miséria. Sendo uma fábula socialista envolve necessariamente a denúncia de “injustiças”, a “mobilização” dos cidadãos para a luta e o apelo à marcha colectiva contra o “obscurantismo”. Já dei os meus cinquenta cêntimos para a discussão das motivações políticas e resultados previsíveis do processo e não retomarei o assunto.

Limito-me a assinalar o regresso temporário do Tiago Mendes à blogosfera, do lado do “sim” e provavelmente trazendo consigo argumentos de peso e bem medidos. Ao contrário de alguns idiotas úteis, o Tiago recusa o papel de “ingénua” e apresenta-se a título individual. Não esperava outra coisa, diga-se.
publicado por Joana Alarcão às 08:34 | comentar | partilhar