Daquilo nunca mais


Não, João, nem dá para quase ter saudades daquilo. Porque o que temos hoje é, quer se queira, quer não, a descendência daquilo.
publicado por Miguel Morgado às 11:56 | comentar | partilhar