O cabo da boa esperança

No Jornal da Tarde da RTP, está um senhor de azul, com uma cabeça que tem qualquer coisa de cabo da GNR dos anos '50, a esbracejar com convicção adestrada, perante uma audiência atentazinha, e a pregar que "o Estado tem um papel", que "cuida das pessoas", que "não se pode deixar o mercado à solta"... Lá lhe devem ter feito um sinal qualquer de que a tv começava a transmitir e o homem, sempre aplicado, a franzir o cenho com o pensamento nas "pessoas" (as "pessoas" votam), lá começou a esvoaçar os braços mais energicamente, porque "não se pode parar" e, curiosamente, "não se pode deixar andar". Enfim, borbulhando num palco aquela espuma de propaganda a que já nos habituou.
Tudo se passa como se, de repente, se tivesse lembrado (mais um milagre "ideológico" do 7 de Junho) que é "de esquerda". Logo ele, que não é de coisa nenhuma.
publicado por Carlos Botelho às 13:26 | comentar | partilhar