Ivan, o terrível

Antes de começarem com aquelas coisas dos Amaricanos e tal, aqui fica uma ideia de um ex-embaixador Amaricano, George F. Kennan, que conhecia um certo calibre da mentalidade russa.

“Não havia barreiras geográficas, montanhas, mares, rios fluentes que a demarcassem. Era tão ilimitada como o horizonte do próprio plano russo. E não é de espantar que os russos não vissem um limite derradeiro à possível extensão do seu poder [e parece que alguém no século XIX mandou esta bomba] «este povo está obcecado com uma estranha superstição acerca do seu destino em conquistar o mundo».”
publicado por Joana Alarcão às 16:08 | comentar | partilhar