Cavaco coloca o Governo em sentido

Esta foi uma semana perigosa para Portugal. Com o risco iminente de derrocada, o Governo optou por manter as construções faraónicas do novo aeroporto de Lisboa, da terceira ponte sobre o Tejo e do TGV entre Lisboa e Madrid. Obras que obrigarão o país a recorrer a financiamento externo. Não sei se o Henrique tem ou não razão, mas este é o momento das forças responsáveis deste país levantarem a sua voz e exigirem que o Governo suspenda imediatamente estas obras irresponsáveis.

Cavaco Silva não é o líder executivo do país, mas tem responsabilidades políticas como Presidente da República. E todos conhecemos o seu papel quando se impediu que este Governo avançasse para a construção do novo aeroporto na OTA. Por isso fiquei satisfeito com a mensagem que hoje enviou, defendendo que "faz sentido reponderar todos aqueles investimentos, públicos ou privados, na área dos bens não transaccionáveis, que tenham uma grande componente importada, isto é, que utilizem pouca produção nacional e que sejam capital intensivo, ou seja, que utilizem pouca mão-de-obra portuguesa”. Esta é uma mensagem óbvia para o Governo, e conhecendo o modo de actuação do Presidente da República, não terá falado em público de ânimo leve. José Sócrates não pode fazer de conta, até porque parece que no seu Governo já há quem tenha percebido que esse não é caminho correcto para Portugal.
publicado por Nuno Gouveia às 01:12 | comentar | partilhar