Da série "O Som e a Fúria"


(Quando se levantou a Estátua Equestre ao senhor rei D. José I, ano de 1776)

Erige, Ulisseia, embora, ao rei dedica,
Essa sublime estátua , ele a merece;
Que quem tanto te ilustra e te enobrece,
Mais que te aceita, o culto justifica.

Tu nesse bronze aos séculos publica
Quanto deves à mão que te engrandece;
Que em parte os benefícios agradece
A nobre confissão que os certifica.

Deu-te ele um novo ser, e um tal aumento,
Que na tua grandeza estupefacto
Se pasma ao ver-te o peregrino atento.

Mostra-lhe, então, que o teu maior ornato
É guardar nesse augusto monumento
Do teu segundo Ulisses o retrato.

Paulino Cabral de Vasconcelos (Abade de Jazente), Poesias, I (1786)
publicado por Pedro Picoito às 03:46 | partilhar