Vivo, Telefónica e América Latina

"Reparei que os quadros que têm nesta sala de reuniões são representações do quotidiano lisboeta" disse eu ao administrador da Vivo, um brazuca. Ele encolheu-se e não conseguiu disfarçar o incómodo: a Vivo também era da Portugal Telecom.
Em Maio de 2009 tive o privilégio de trabalhar num projecto da Samsung Mobile na América Latina. A Samsung é o 2º maior fabricante de telemóveis do mundo e baseia o seu sucesso em relações previlegiadas com os operadores. Mas naquela região havia problemas de vendas, o que me levou a reunir com vários operadores em diferentes países e a ganhar uma perspectiva privilegiada sobre a Vivo, a Telefónica e a PT.
A situação na América Latina é invulgar: duas empresas controlam 70% do mercado de telefonia móvel em todo o continente - A Telefónica e a Claro (do Mexicano Carlos Slim). A guerra pelo controlo de cada país é total e em todas as plataformas (móvel, fixo, voz, dados, tv etc.), em particular nos maiores mercados, Brasil e México. Neste cenário, empresas como a PT (ou a italiana TIM) surgem para estes duopolistas como empecilhos sem escala e sem futuro na América Latina. Estamos fora de jogo.
Em reuniões e conversas informais com malta do sector confirmei o que todos já sabem: A Telefónica há muito tempo que manifesta o seu incómodo em não ter o domínio total sobre a Vivo porque 1. gostam de mandar em tudo o que tocam, 2. precisam de juntar a operação da Vivo à sua operação de rede fixa (a Telesp), 3. sabem bem o potencial que o Brazil tem: actualmente 180 milhões de clientes, e de acordo com a Anatel (a ANACOM lá do sítio) podem chegar até aos 300 milhões. Era, por isso, uma questão de tempo.
A outra coisa que constatei e não deve ser desprezada, é a profunda, muito profunda preferência dos gestores brasileiros em serem mandados por espanhóis (no quadro daquela obsessão que eles têm com a Europa do glamour) em vez de Portugueses (que serão sempre, sempre considerados europeus de segunda). É por isso que tenho a certeza que daqui uns dias os quadros de Lisboa vão ser substituídos por cenas de uma tourada em Sevilha ou imagens da Castellana. Para grande alegria de todos.
publicado por Francisco Van Zeller às 13:43 | partilhar