Os péssimos timings da Dra. Manuela


Por estes dias, o abcesso de fixação, como diria Pacheco Pereira, é a demora do PSD em apresentar o programa eleitoral. Ou, para voltar à velha narrativa, os péssimos timings da Dra. Manuela. Coisa terrível porque o país, já se sabe, está suspenso da clarificação ideológica laranja que vai chegar com o documento. Trinta anos sem podermos anunciar, lá no café, se somos liberais, conservadores ou até social-democratas: tem sido um longo exílio. Mas a Terra Prometida espera-nos. A avaliar pelas páginas do DN, vêm aí tempos de profundo debate doutrinário com o PS. Sob o patrocínio da Carolina.
É claro que os mesmos que tão ansiosamente pedem o programa para votar em consciência, e fazem bem, vão dizer no dia seguinte - sem o ler - que não lhes enche as medidas. Ao contrário dos socialistas, que o vão ler com muita atenção. Aliás, é exactamente porque os spin doctors do Rato o vão ler com muita atenção que ninguém lhe vai pôr a vista em cima antes da Agosto. Ou Setembro.
Mas descansem. A criança está a caminho. Posso noticiar, pois é público e notório, que o contributo do Instituto Sá Carneiro foi entregue este fim-de-semana na São Caetano à Lapa. Falta o do Gabinete de Estudos, que passou por algumas vicissitudes também públicas e notórias e vai exigir um esforço extra de coordenação a Sofia Galvão e a Paulo Mota Pinto. Se querem saber mais, perguntem ao camarada Pinheiro que está metido na coisa até ao pescoço.
Entretanto, continuemos a zurzir os péssimos timings da Dra. Manuela. Já foi assim com o Rangel, não foi?


publicado por Pedro Picoito às 11:54 | partilhar