Porque alguns insistem no assunto...

Independentemente do que os nossos tempos mostram, é preciso recordar que o legalismo nas relações internacionais, o multilateralismo, a concepção de "segurança colectiva", a diplomacia aberta e pública, a rejeição do equilíbrio do poder, da acção directa dos Estados, em suma, tudo aquilo a que estamos habituados a atribuir ao horizonte diplomático dos países europeus, são ideias americanas. Mais: são ideias americanas que foram introduzidas na Europa como contraponto das ideias especificamente europeias a este respeito, que foram impostas como forma de substituir, de uma vez por todas, a teoria e prática europeias das relações internacionais.

É verdade que não foram americanos, mas europeus do século XVIII, quem originariamente concebeu as ditas ideias. Mas os seus esforços isolados puramente intelectuais não encontraram grande recepção aqui no Velho Continente. Coube a alguns americanos do século XX reformulá-los e apresentar essas reformulações como propostas de reforma, como uma teoria geral que conduz imediatamente a prática.

Seria interessante perceber por que é que, entretanto, os europeus substituíram os americanos no patrocínio dessas ideias. Mas essa é outra conversa.
publicado por Miguel Morgado às 18:21 | comentar | partilhar