Bhutto

Quando soube da notícia do assassinato de Bhutto, não houve reacção que mais fielmente tivesse reproduzido o que me ia na alma do que a simples declaração do porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi: "Não se vê sinais de paz nessa região atormentada". Simples, mas verdadeiro. O assassinato de Bhutto tem consequências óbvias sobre a situação interna no Paquistão, sobre o ímpeto combatente de resistência às tropas aliadas no Afeganistão, sobre os progressos importantes e notórios no Iraque, e até sobre o Bangladesh, que, segundo o dizer de alguns, é já uma autêntica bomba-relógio. Este não será o último tormento da região. Nesse aspecto, aquela é uma terra de abundância.
publicado por Miguel Morgado às 18:46 | comentar | partilhar