Por Larissa? Não. Por Paco González.

Eliminada a selecção portuguesa do Mundial 2010, o Miguel Morgado faz aqui no Cachimbo juras de amor à Espanha, enquanto que o Paulo Pinto Mascarenhas, no seu abc, insinua (?) que por causa do "carisma" de Larissa Riquelme o apoio ao Paraguai tem toda a razão de ser. Não podia estar mais de acordo. Porque não desdenho a Larissa (era o que faltava), porque tenho um lado anti-espanhol, porque as restantes selecções não me aquecem nem me arrefecem, mas, sobretudo, por causa de Paco González. Jogador dos Belenenses no início da década de 1970, Paco González, internacional pelo Paraguai, foi o melhor jogador de futebol ao serviço do Belém que alguma vez vi actuar num relvado. Esquerdino, goleador, baixo, rápido, forte, finta rápida, fortes traços índios no rosto, foi vendido, com o central Freitas, ao Futebol Clube do Porto. Mais tarde regressou ao Restelo depois de ter ganho algum dinheiro na Invicta mas sem quase nunca ali ter jogado ao serviço da equipa principal. Pelo prazer que me deu ver Paco González jogar à bola, mais do que por Larissa Riquelme, gostava de ver o Paraguai nas meias-finais do Mundial.
publicado por Fernando Martins às 17:42 | comentar | partilhar