O programa do governo

Boas notícias:

Confirma-se a privatização de um canal da RTP e da Lusa. Diminui o controlo estatal nos media.

A TAP e as participações na EDP e REN serão alienadas. O governo compromete-se ainda com a extinção dos direitos especiais (vulgo "golden shares"). Diminui o controlo estatal sobre a economia.

Redução dos escalões de IRS. Simplificação do sistema fiscal e redução do desincentivo marginal ao trabalho. Resta saber quais os escalões a  eliminar e como serão definidos.

Redução gradual das deduções com juros e amortizações de empréstimos imobiliários. Redução dos incentivos ao endividamento. 

 

Nem boas nem más:

Só após concluida a reavaliação e a renegociação das PPP's saberemos se foi possível reduzir os pesadissimos encargos assumidos pelos governos socialistas.

Pela forma como está redigida a notícia não percebo em que consiste a introdução da liberdade de escolha na saúde. Vamos poder escolher o prestador seja ele público ou privado? Ou apenas vamos ter "liberdade" dentro dos serviços públicos?

 

 

Más notícias:

Na CGD apenas serão vendidos os seguros e as participções não centrais do negócios. Infelizmente confirma-se que a venda de parte do capital a privados não avança. Mantém-se o principal instrumento de intervencionismo económico do estado.

A construção da linha de alta velocidade Lisboa-Madrid é apenas suspensa. Mais tarde ou mais cedo alguém voltará a ressuscitar este "elefante branco".

Imposição de um tecto às deduções com despesa de saúde no IRS. Menos liberdade de escolha e maior pressão sobre os serviços públicos.

publicado por Miguel Noronha às 15:46 | partilhar