Alfama strikes again

Aqui temos mais uma especializada e especial análise ao melhor estilo da Alfama School of Economics. Comenta-se a execução orçamental do primeiro semestre:

"Nos primeiros seis meses de 2011, a despesa efectiva do Estado emagreceu 3,4%, face a igual período do ano transacto, e a despesa primária caiu 4%, informou hoje a Direcção-Geral do Orçamento. A despesa com pessoal desceu 8%, sobretudo por causa do corte de salários dos funcionários públicos." Contudo,  «Redução da despesa no Estado abranda por causa dos juros da dívida». Juros que ficaram muito piores com o empurrão no governo anterior. Mas é mais giro dizer que há um desvio colossal, não é?

 

Eu explico. A queda na despesa efectiva e primária deve-se principalmente (eu até dira quase exclusivamente) à redução nos custos de pessoal que constituem a sua maior parcela. Isto é, o único esforço efectivo de contenção da despesa foi mesmo o corte dos salários na função pública. O aumento da despesa com juros refere-se aos empréstimos contratados no mercado primário na sua nos anos de 2010 e, provavelmente, aos de curto prazo do primeiro trimestre de 2011.  Para terminar, mesmo que tenha existido uma redução do défice podermos ainda assim estar na presença de um desvio uma vez que os resultados serão medidos contra um valor objectivo.

publicado por Miguel Noronha às 09:40 | partilhar