Pública e dependente

Felizmente há quem na AR fuja ao dicurso demagócio e igorante sobre as agências de notação financeira:

 

"Adolfo Mesquita Nunes (CDS-PP) argumentou que “quem atribui crédito às agências de rating são os investidores e podemos criar as agências de rating que quisermos que, se os mercados não as entenderem como credíveis” de nada valerá (...) [O] deputado dos populares duvidou que uma agência de rating pública tivesse “o critério justo e certo”. “É uma visão cândida (*) a de pensar que uma agência pública terá um funcionamento diferente”, sintetizou."

 

De sublinhar a proposta do comunista Honório Novo que defende que “as avaliações de risco das empresas e do mercado do crédito devia caber a instituições públicas independentes”. Parece que nem o recente exemplo das nomeações políticas na CGD lhe recorda que uma agência pública jamais será independente. Ou credível.

 

(*) O jornalista erradamente escreveu "É uma visão mecânica"

tags:
publicado por Miguel Noronha às 16:20 | partilhar