Ainda se lembram do caso DSK?

Este caso teve, até ao momento, dois grandes momentos mediáticos, que prenderam a atenção da opinião pública mundial. Primeiro a cobertura circense que envolveu a prisão de DSK e mais recentemente quando os jornais americanos revelaram que o caso poderia estar prestes a terminar. Neste momento estamos a assistir a uma terceira fase, menos espalhafatosa do que as duas anteriores, mas com revelações interessantes sobre o caso e uma defesa pública por parte da empregada guineense que acusou a antiga estrela da esquerda francesa.

 

Uma sequência de acontecimentos que revela que estamos perante uma verdadeira batalha pela opinião pública. Os factos dados como provados na primeira fase foram desmentidos na segunda, quando surgiu em força a resposta da equipa de Strauss Khan. Nessa fase, alguns mais eufóricos até já davam como possível uma candidatura presidencial em 2012. Depois foram sendo revelados mais casos antigos de DSK e histórias pouco abonatórios sobre o seu carácter. Hoje foi noticiado que afinal era mentira que havia provas que a empregada tivesse sido apanhada ao telefone a falar em ganhar dinheiro com o caso, algo que foi dado como certo na ofensiva mediática lançada por DSK. Aliás, essas conversas que foram relatadas na imprensa eram falsas e contraditórias com o que a guineense realmente disse ao telefone.

 

Assistimos ao lançamento do jogo, ao ataque de DSK e ao contra-ataque da empregada guineense. Não é dificil verificar quem detém mais poder de fogo nesta guerra, mas o mesmo não quer dizer que eventualmente a razão não esteja do lado da força. O que poderá fazer uma pobre emigrante contra um todo poderoso como DSK, se realmente não estiver com a verdade do seu lado? Mas haverá nos bastidores outros jogadores? O que é interessante de observar neste caso são as jogadas dos diversos intervenientes pela conquista da razão na praça pública, como se o que interessasse não fosse a verdade. Na França e, em parte, na Europa, já sabemos quem está a ganhar. Pelo menos a atender pela forma como tem sido relatado o caso. Nos EUA, DSK começou por ser goleado, mas o seu contra-ataque valeu-lhe alguns pontos. No entanto, penso que ainda estará a perder por muitos.

 

A justiça, o mais importante neste imbróglio todo, ficará para depois. Se DSK violou? Só os mais incautos conseguirão responder a essa pergunta. Deixemos a justiça funcionar.

publicado por Nuno Gouveia às 19:18 | comentar | partilhar