Guerra total (Totaler Krieg...)

Esperar-se-ia diferente da NATO - mas não: bombardeou alvos não-militares. O resultado parece não ter sido o desejado: a tv líbia prosseguiu as suas transmissões. A seguir, bombardeará a própria estação, fazendo, objectivamente, dos seus funcionários alvos? Sim, Kadhafi faria isso sem pestanejar. A NATO ainda pestaneja?

Quando se tratou de auxiliar a limpeza de Sérvios do Kosovo por parte dos "Albaneses" (o pretexto era evitar a limpeza destes por aqueles, lembram-se?), a NATO também não terá pestanejado ao bombardear as instalações da televisão de Belgrado. Penso que, então, o argumento invocado foi o mesmo: o uso propagandístico da tv. Será isso, numa guerra que não se queira "total", suficiente para transformar uma televisão num alvo militar?... (Será preciso recordar quem, no séc. XX, usou - e aplicou - ostensivamente o conceito de "guerra total"?)

publicado por Carlos Botelho às 23:11 | partilhar