Corte e costura

Eu não sou lá muito saudosista e não alinho naquela do "no meu tempo é que era bom". Não sei se os políticos de "antigamente" eram mesmo assim tão melhores que os da "nova geração". Não desqualifico Passos Coelho, António José Seguro ou Paulo Portas. Prefiro resultados práticos e não os vi antes de Passos, Seguro e Portas. Prefiro sobretudo que em vez de mais impostos, o memorando da troika, que todos sabemos ser um programa de governo, vá sendo cumprido com a possível rapidez, incluindo nos cortes na Administração Pública e no Estado. O anúncio governamental da extinção e fusão de fundações públicas (mais de 800), com a retirada de privilégios e isenções fiscais também a semi-públicas e privadas, assim como o extermínio de empresas municipais (1 e 2) - é daquelas boas notícias que espero continuar a ler ou a ouvir. Não cortem mais é no contribuinte.

 

(Também no ABC)

publicado por Paulo Pinto Mascarenhas às 13:45 | comentar | partilhar