Sair disto

 

Luciano Amaral no Diário Económico

 

Deixar a Grécia ir e imaginar que, assim, desaparecem os problemas da UEM é uma ilusão trágica. Para lá da austeridade, para lá da ‘troika' e dos seus memorandos, estaria talvez na altura de pensar, em Portugal, na Grécia e em toda a Europa numa qualquer forma de bancarrota ordenada e, até, numa qualquer forma de abandono da UEM que preserve o essencial. Não basta repetir que o euro vai sobreviver. Não basta repetir que o fim do euro é o fim da UE. Não basta repetir que o fim do euro é o fim do mundo. Fazê-lo é apenas uma forma de não discutir uma das possíveis consequências da actual situação

 

Ricardo Vicente no Forte Apache

 

Teria sido muito melhor proceder ao default parcial grego nos idos de Maio de 2010 do que deixar o problema agravar-se e estender-se ainda mais a outras economias europeias. Mas isso não seria tragável nem pelo eleitorado alemão nem pelo francês. Sendo assim, para garantir um mínimo de probabilidade de re-eleição a Merkel e a Sarkozy, o problema grego tem sido cada vez mais empolado, enquanto os respectivos eleitorados se mantém em estado de negação. Quando o grande default grego finalmente tiver lugar, será muito mais difícil realizá-lo pois o valor em dívida já será (já é) muito superior.

 

Nick Hayns (Institute of Economic Affairs) no Public Service Europe

 

The irony, though, is that any number of people predicted this exact scenario over two decades ago, when the euro was little more than a dream for the most ardent of Europhiles. Even while the rules for the euro were being created, they were simultaneously being broken. The Treaty of Maastricht set out five requirements for member states wishing to join the euro – of the 11 countries to join; only Luxembourg passed all five. Then came the stability and growth pact, soon jettisoned when it got in the way. And the no bail-out clause? Well, it almost seems comical in light of recent events. It is exactly this kind of fiscal indiscipline that has led us to our present parlous state. A political project, powered by political will, to achieve political ends. If the economics get in the way, dump the economics.

tags:
publicado por Miguel Noronha às 11:28 | partilhar