Finalmente

A intenção de acabar com a lamentável Fundação para as Comunicações Móveis é mais um passo positivo promovido por este governo. Com 65 milhões de dívidas, a FCM foi o instrumento utilizado pelo governo Sócrates para promover um dos seus negócios mais infames: a atribuição, sem concurso público, do negócio Magalhães à JP Sá Couto, criando um precedente vergonhoso. Acredito que nunca saberemos o que terá levado o governo a atribuir um negócio de 280 milhões de euros a uma empresa, em detrimento de todas as outras do mercado. A suspeita, essa irá perdurar para sempre. 

 

De resto, espero que o fim da FCM signifique também a conclusão do programa Magalhães, que nunca provou ser uma arma eficaz na educação das crianças. Pelo que tive oportunidade de observar, sei bem que os dois Magalhães que foram atribuídos a familiares meus nunca foram utilizados na sala de aula, sendo apenas um brinquedo para eles, como tantos outros. Mas também sei que foi uma poderosa arma de propaganda utilizada por Sócrates num período crítico para o nosso país. Dinheiro nunca faltou a Sócrates para conduzir a sua política propagandística. Infelizmente para nós, dinheiro é aquilo que mais falta agora ao nosso país. Não tivesse Sócrates esbanjado tantos milhões de euros ao longo de seis anos em projectos faraónicos e inúteis, e certamente estaríamos numa situação bem mais confortável. 

publicado por Nuno Gouveia às 18:29editado por Paulo Marcelo em 28/09/2011 às 10:36 | partilhar