Da 'alegria' com a diminuição dos vencimentos dos funcionários públicos

A maluquinhos avulsos que se manifestam por caixas de comentários revoltando-se contra o regozijo dos que não trabalham para o estado pela suspensão dos subsídios de Natal e de férias aos funcionários públicos, aproveito para fazer uma declaração de interesses, apoiando como apoio esta medida do governo. Apesar de trabalharmos desenfreadamente para vendermos o mais possível  fora deste país doente, a minha empresa vende também em Portugal. Este ano, com todos os aumentos de impostos, temos tido um abrupto decréscimo das vendas por cá - e não vai haver Natal. Para o ano teremos mais impostos e a diminuição do rendimento disponível dos funcionários públicos. Os nossos clientes, cá, vão vender menos, nós teremos destino semelhante. Tudo isto depois de uma década em que estivemos permanentemente fazendo por sobreviver - e sobrevivendo bem, diversificando mercados e produtos - a um estado que tudo fez para nos complicar a vida (os aumentos temporáriosde impostos iniciaram-se em 2002 e regulamentação e burocracias nem vale a pena referir - o SIMPLEX é uma miragem que nem chegou às camadas exteriores das imbecilidades regulamentares portuguesas). Logo, para mim, que não sou directamente afectada pela diminuição dos vencimentos dos funcionários públicos, esperam-me dois anos que de súbito se aguçaram.

 

Agradece-se, assim, que os maluquinhos avulsos se restrinjam às caixas de comentários; se alguém tem a ousadia de me afirmar presencialmente da minha alegria com o OE2012, é provável que ouça algumas palavras azedas. Mais ou menos as mesmas que ensaiei quando fui obrigada a questionar-me se a poupança - muito necessária - com os vencimentos da função pública teve como fim a consolidação orçamemental ou apenas permitir que o governo gaste o valor poupado com os funcionários públicos noutro lado, naqueles subsídios que tem dito, para meu alívio e com a minha concordância, não ir distribuir.

publicado por Maria João Marques às 09:07 | comentar | partilhar