OE2012: % do PIB em Educação - a notícia falsa

Ouve-se, desde ontem, muita gente a afirmar que Portugal será, em 2012, o país da UE27 com menor percentagem do PIB para gastos na Educação (parece que tudo começou numa notícia do Público). Importa esclarecer que essa afirmação é falsa.

 

Em primeiro, porque a notícia utiliza os dados mais recentes da OCDE (referentes a 2008), publicados no Education at a Glance 2011, pelo que não se pode comparar o valor de Portugal em 2012 com os valores dos outros países em 2008 (ainda por cima, antes da crise económica ter um impacto real). Naturalmente, a afirmação feita no título da peça é impossível de justificar, na medida em que não se conhecem os valores para 2012 nos países da UE27.

Em segundo, até comparando com os valores de 2008, Portugal não ficaria em último lugar, pois a Eslováquia gastou nesse ano 3,6% do seu PIB em Educação (cf. Education at a Glance 2011, p. 254 ou aqui). Será que esse valor aumentou? É possível, mas não sabemos o quanto.

Em terceiro, há outros países, como Espanha e Itália, que em 2008 tinham uma percentagem do PIB menor (4,6%) do que a portuguesa (4,9%), e que, com a crise, poderão ter optado por uma redução.

 

Nestes tempos conturbados, as notícias falsas rapidamente se tornam verdadeiras porque reiteradas sucessivamente nos meios de comunicação. O poder dos media, nestes momentos, torna-se ainda maior porque, perante a avalanche de informação maioritariamente técnica, confiamos na imparcialidade de quem informa. Acredito que no caso desta notícia, o lapso foi inteiramente involuntário. Mas o mal ficou feito: ontem no Parlamento, por exemplo, Catarina Martins (BE) usou esta notícia para criticar o OE2012.

publicado por Alexandre Homem Cristo às 12:28 | comentar | partilhar