Cada um deve decidir o que realmente importa (para si) quando se trata de escolher a escola

A questão lançada pelo Nuno é importante, pois aponta para um obstáculo que muitos assinalaram – os rankings das escolas de hoje são imperfeitos, mas a sua informação é útil; e com a ponderação socioeconómica, a correcção de algumas dessas imperfeições significaria perder essa informação útil.

 

Na minha opinião, a questão parte da perspectiva errada de que é necessário decidir qual dos dois rankings é o melhor para toda a gente – ou, na formulação do Nuno, do que realmente importa quando se trata de escolher a escola. Cada pai terá a sua resposta a essa pergunta e o que compete ao Estado é dar o máximo de informação possível para que esse pai possa escolher de acordo com os critérios que mais valoriza para o seu filho.

Ora, na comparação de um ranking (sem ponderação socioeconómica) com outro (com ponderação) sobressaem as vantagens e as desvantagens de cada um, nomeadamente porque nem todos os pais estão nas mesmas condições e valorizam as mesmas características numa escola. Como tal, não vejo razão para não termos os dois rankings, em simultâneo – bastava para isso que a sua publicação integrasse duas colunas com os valores médios (uma sem e outra com ponderação por índice socioeconómico).

Defender mais e melhor informação sobre as escolas, como fiz ao longo desta semana a propósito dos rankings, não é defender a supremacia absoluta de um modelo de rankings sobre outro, mas sim afirmar que os actuais são insuficientes. Há também quem o faça porque pretende desculpabilizar as más escolas ou por outros motivos sinistros? Who cares? Quando tivermos os dois, cada um olhará para os valores que considerar mais pertinentes para decidir acerca do seu filho.

 

Assim, o erro de quem critica os críticos dos actuais rankings é que, ao defender a limitação à informação actualmente disponível, pretende impor sobre todos a sua própria visão acerca do que realmente importa na escolha da escola. É um evidente tiro no pé.

publicado por Alexandre Homem Cristo às 17:16 | comentar | partilhar