O fascinante irrealismo do PCP

  

O PCP vai apresentar um conjunto de propostas de alteração ao Orçamento do Estado na área da Ciência e Educação, que incluem a supressão das propinas no superior, concursos para professores contratados, funcionários e psicólogos, no básico e secundário.

Quase metade do pessoal da administração pública (46,7%) está no Ministério da Educação. O PCP acha pouco e propõe que se contratem mais professores, funcionários e psicólogos. A proposta seria irrealista mesmo que não estivéssemos em crise. Depois, quanto ao ensino superior, não se percebe com que base o PCP propõe a supressão das propinas, tendo em conta que (1) o ensino superior não é obrigatório e que (2) o ensino superior nos estabelecimentos públicos já é largamente subsidiado (basta comparar as propinas do público com as do privado). Não bastava propor uma diminuição do valor da propina, tendo em conta a difícil situação económica e social de muitas famílias?

publicado por Alexandre Homem Cristo às 21:23 | comentar | partilhar