Liberdade de escolha, onde?

 

Acima, a vermelho, retirada de uma curta entrevista ao Expresso (12.11.2011), está marcada parte de uma resposta da Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário que não faz sentido, pois afirma que existe, consagrado na lei, um modelo de liberdade de escolha para o ensino secundário em Portugal – que se saiba, é coisa que não existe. Perante isto, só existem duas hipóteses: ou o que se pretende implementar para o ensino básico, no próximo ano lectivo, não é, verdadeiramente, liberdade para escolher a escola, ou a Sec. Est. Isabel Leite equivocou-se. Era bom que isso ficasse esclarecido.

publicado por Alexandre Homem Cristo às 20:00 | partilhar