Ainda o registo de interesses e a transparência

Caro Rodrigo,

Percebo o teu ponto, se bem que estou em total desacordo com ele. Creio que um dos maiores problemas do nosso regime é a falta de transparência. E embora digas que não é isso que estás a discutir é precisamente isso que, em minha opinião, está em questão.

Não tenho nada contra quem tem interesses. Mas creio que é essencial que esses interesses sejam declarados. Mesmo nas sociedades liberais onde o lobby é assumido como uma coisa saudável, o lobby é sempre declarado, registado enquanto tal. Não há nada pior do que fingir, fazer de conta, que não se tem interesses pessoais numa determinada discussão, quando se tem tantos. Quem não deve não teme e se o empenho ao lado de determinados interesses é fundado em razões e convicções, o facto de se confessarem e registarem os interesses não retirará força nenhuma a essas razões que fundam o empenho pessoal e as conviccções. O pior é quando nada disso está sobre a mesa, mas apenas, pertenças e cumplicidades, confusão entre o interesse pessoal ou tribal e o serviço público. E é isso que transparece tantas vezes e que transpareceu também no caso da Maçonaria. Não percebo, pois, que se possa tornar uma defesa da transparência numa apologia do desinteresse.

 

publicado por Filipe Anacoreta Correia às 11:32 | partilhar