Sabem quando escrevemos sobre outros para afinal descobrirmos que escrevemos sobre nós próprios? Pois aqui fica um retrato de Miguel Sousa Tavares.

«No último mês de Dezembro, Miguel Sousa Tavares publicou um artigo laudatório do antigo Primeiro-Ministro José Sócrates, com o título O Fantasma de Paris,  que tem sido replicado em vários blogues socratistas. Raras vezes vi um artigo com tantos erros factuais. Só na primeira metade do artigo, temos isto:

.

 (...) José Sócrates começou a governar em 2004, recebendo um país com défice de 6,2% (...)
.
Começou a governar em Março de 2005 e recebeu um défice de 3,4%.
.
(...) após dois governos PSD/CDS, numa altura em que não havia crise alguma nem problema algum na economia e nos mercados. (...)
.
Portugal esteve em recessão em 2003, e o crescimento do PIB vinha em queda desde 1998.
.
 (...) Manuela Ferreira Leite e Bagão Félix, foram pioneiros na descoberta de truques de engenharia orçamental para encobrir a verdadeira dimensão das coisas: despesas para o ano seguinte e receitas antecipadas (...)
.
A antecipação de receitas foi prática corrente dos governos de Guterres – a começar pelo Pagamento Especial por Conta. A principal alínea de desorçamentação – as SCUTS – despesas atiradas para o futuro, foi também uma invenção dos governos de Guterres.»

 

O resto estáneste post de JCD.

publicado por Maria João Marques às 14:00 | partilhar