O bem comum

As declarações do próprio são confusas e contraditórias. A notícia sobre José Lello diz que o dinheiro não declarado resulta do produto da venda de uma quinta que a mulher terá recebido em herança. Diz-nos depois o Senhor Deputado que o consultor lá do parlamento lhe disse, mas só em 2009, que tinha que declarar essa verba, pois estava casado em comunhão de adquiridos. Ora, os bens recebidos em herança não integram o património comum de quem está casado no regime da comunhão de adquiridos. Por isso, das duas uma: ou o consultor o enganou ou a razão da omissão/declaração não teve nada a ver com isso. Apure-se, pois se o bem é comum. Para bem de todos.

publicado por Filipe Anacoreta Correia às 18:34 | partilhar