Irão conseguir?

Fonte: World Nuclear Association 

 

Este gráfico representa a curva de esforço para o enriquecimento de urânio (U235) por unidade de produto (SWU), em função do respectivo uso. Conclusão: o esforço necessário para o enriquecimento do urânio não é linear. Isto é, a taxa de esforço vai diminuindo à medida que a massa processada também diminui (para efeitos militares a massa processada é muito inferior à necessária para efeitos de produção de energia eléctrica).

O Irão anunciou recentemente que tinha começado o processo de enriquecimento para níveis intermédios nas instalações de Fordo, perto da cidade santa de Qom. Posteriormente, a IAEA confirmou que o Irão estava a fazer enriquecimento a 20% (usado para efeitos médicos), o que encurta bastante o caminho de esforço até aos 90%, o necessário para efeitos militares. Da leitura deste gráfico decorre a actual histeria com o Irão potência nuclear. Mas, se o gráfico não é linear, porque é que a leitura política e militar tem de o ser?

 

tags:
publicado por Victor Tavares Morais às 13:04 | comentar | partilhar