Colocar Portugal nos carris

A decisão de acabar com o TGV para Madrid constitui uma oportunidade de ouro para terminar com a periferia ferroviária nacional.

Espanha investe na centralidade de Madrid e numa solução radial em que qualquer ligação de Portugal à Europa tenha de passar por Madrid.

Para Portugal o interesse é, essencialmente, promover uma ligação à Europa através do corredor Aveiro, Salamanca. As razões são várias:

Em primeiro lugar Madrid fica na latitude de Aveiro e não faz sentido que um comboio para Madrid "desça" à latitude de Setúbal para subir até à latitude de Aveiro.

Em segundo lugar uma via de altas prestações não é competitiva apenas para a ligação Madrid / Lisboa mas já o será se a linha servir também o Porto, Aveiro (e respetivos portos) com o consequente tráfego de mercadorias além Pirinéus.

Em terceiro lugar uma ligação pelo norte é, para os mesmos 640 kilometros, muito mais barata. (i) Até Aveiro o traçado da linha do norte pode ser aproveitado mesmo mudando a bitola e, (ii)  do lado espanhol está já concluída a ligação Madrid / Medina del Campo / Valladolid.

Em quarto lugar (e este é o ponto mais importante) a ligação ferroviária essencial para Portugal é (tal como foi o sud-express no século xx), a ligação do Eixo Atlântico a França pelo corredor Salamanca / Valladolid / Burgos / Vitoria / Irun.

publicado por Pedro Pestana Bastos às 23:02 | comentar | partilhar