Vergonha

 

Tenho acompanhado à distância as notícias que colocam Paulo Cristóvão, dirigente do Sporting, que pediu há dias a suspensão do mandato, no centro de um caso rocambolesco de pressão a um árbitro e vigilância da vida privada dos jogadores da equipa de futebol. O mesmo Paulo Cristóvão já havia sido o cérebro das imagens dos hooligans violentos no corredor de acesso aos balneários dos adversários do Sporting, um caso menos grave mas igualmente triste. Não obstante a história gloriosa do Sporting, com a acumulação sem precedente em Portugal de títulos e mais títulos em variadíssimas modalidades desportivas, os sportinguistas orgulham-se, acima de tudo, de o Sporting ser um clube de cavalheiros, respeitador das regras de convivência desportiva, e alheio às golpadas que envolvem particularmente o futebol português. Nós, sportinguistas, queremos vitórias, mas queremos vitórias dentro da lei, para as podermos celebrar com a cabeça bem erguida, sem estarmos sujeitos à desconfiança que sempre acompanha as vitórias de outros clubes menos dignos. Espero que este caso seja esclarecido o mais rapidamente possível e, a haver culpados, como parece haver, que eles sejam rapidamente identificados e imediatamente corridos do Sporting. Mais, a haver lugar a sanções desportivas, elas serão muito bem-vindas, se forem justas. Esforço, dedicação, devoção e glória – eis o Sporting! Menos do que isto já não há lugar à glória nem é do Sporting que se trata.

publicado por Nuno Lobo às 23:59 | partilhar