Fim do euro (28) FMI alerta

No seu World Economic Outlook, o FMI inclui uma secção de riscos extremos (p. 17-18):

 

Several tail risks are hard to quantify but merit attention:

• The potential consequences of a disorderly default and exit by a euro area member [estão obviamente a falar da Grécia] are unpredictable and thus not possible to map into a specific scenario. If such an event occurs, it is possible that other euro area economies perceived to have similar risk characteristics [neste grupo, Portugal aparece à cabeça, para além de Espanha e Itália] would come under severe pressure as well, with a full-blown panic in financial markets and depositor flight from several banking systems.

 

Esta fuga de depósitos não deverá ocorrer apenas nos países periféricos, mas também em países cujos bancos estão muito expostos a esta dívida, como a França e a Alemanha.

 

Under these circumstances, a breakup of the euro area could not be ruled out. The financial and real spillovers to other regions, especially emerging Europe, would likely be very large. This could cause major political shocks that could aggravate economic stress to levels well above those after the Lehman collapse.

 

Estes alertas do FMI não são feitos por americanos loucos que querem ver a Europa no chão, uma teoria da conspiração muito estranha, porque o colapso do euro terá consequências gravíssimas para os EUA. Os dois cargos máximos do FMI, o de director executivo e principal economista, são actualmente ocupados por dois franceses, respectivamente, Christine Lagarde e Olivier Blanchard. 

publicado por Pedro Braz Teixeira às 12:01 | comentar | partilhar