Ministro amputado?

Não obstante o caso das pressões de Miguel Relvas a uma jornalista do Público não ter os contornos sinistros que inicialmente se pensou e ser, assim, menos grave, o ministro não deixa de estar numa situação insustentável dada a sucessão de casos que lhe são associados - crónica da Antena 1, excessiva casualidade e excessivas contradições no 'caso das secretas', pressões ao Público - e dado o 'esclarece, não esclarece' a que Relvas e o PSD se têm dedicado. E é precisamente por não estarmos em tempos de velocidade de cruzeiro que não nos podemos dar ao luxo de ter no governo um ministro amputado na legitimidade. O governo vai fazer um ano e ainda estão por iniciar reformas que diminuam de forma estrutural a despesa pública, dando lugar a questões sobre as reais vontade e capacidade do governo de as iniciar (e concluir). Com ministros diminuídos é que, com certeza, não tentarão qualquer reforma.

 

Nota: não defendendo a jornalista nem as suas palavras, só espero que quem tenha montado este vídeo não o tenha feito enquanto recebendo um ordenado pago pelos contribuintes. Por estes dias há melhor uso a dar ao dinheiro dos contribuintes apropriado, em montantes absurdos, pelo estado.

publicado por Maria João Marques às 13:37 | partilhar