Ou uma coisa ou outra

Interessante, a capa e o editorial do The Economist esta semana sobre a opção que a Europa enfrenta: ou se sai da crise desmantelando o Euro, ou se avança para uma maior integração. O que tem piada é a revista manifestar-se a favor da via da integração relutantemente. Normalmente não o defenderiam mas, como as coisas estão, a alternativa de desfazer a moeda única parece-lhes a mais devastadora.

Propõem duas medidas (assim como quem conversa com a Sra. Merkel): uma de integração financeira (grandes bancos), e integração fiscal (uma das formas já propostas há uns tempos de mutualização das dívidas soberanas). Ambas definidas como minimalistas: o mínimo que conseguem imaginar de perda de soberania e independência para conseguir os efeitos pretendidos e indispensáveis.

O projecto europeu constrói-se de muitas maneiras. Agora estamos na fase da construção por via da «fuga para a frente».
publicado por Pedro Gonçalves Rodrigues às 22:06 | partilhar