MENS AEGRA IN CORPORE AEGRO

 

Não se compreende a racionalidade desta decisão. Porquê subalternizar desta maneira a disciplina de Educação Física?... Porque parece o Ministério da Educação ceder à ignorância apatetada da Confap (objectivamente, com Albino Almeida, uma orfã do analfabetismo "socrático")?... Às dificuldades que alguns alunos experimentam naquela disciplina correspondem também dificuldades mais ou menos "estruturais" noutras: em Inglês, ou em Matemática, ou em Filosofia, ou em História e por aí adiante. Porque hão-de ser umas dificuldades mais aceitáveis do que outras?... O argumento será o de a Educação Física poder não corresponder especificamente a uma área? Claro que não corresponde, mas isso, precisamente, está assumido. Ou a Educação Física, como a Filosofia, por exemplo, não é para ser uma disciplina "transversal"?...

E será que, nesta história tão lamentável, haverá alguém responsável pensando seriamente que, pela Educação Física, se vão adquirindo apenas competências, digamos, "musculares", meramente "físicas"? Se for o caso, a miséria, então, é ainda mais profunda do que se suspeitava.

publicado por Carlos Botelho às 01:36 | comentar | partilhar